quarta-feira, 15 de abril de 2020

País tem pico de mortes diárias e chega a 1.532 casos fatais de Covid-19

O Brasil superou, pela primeira vez, a marca de 200 mortes ligadas ao novo coronavírus em um período de 24 horas. Com 204 novos óbitos, a lista de casos fatais chegou a 1.532 . O país contabiliza 25.262 diagnósticos confirmados, alta de 8% em relação ao dia anterior. O ministro Luiz Henrique Mandetta (Saúde) atribuiu a taxa diária, considerada baixa, ao distanciamento social das últimas semanas: “A redução da mobilidade se presta para que a gente aumente nossa capacidade de atendimento”.

Mais detalhes: Roraima se juntou ao grupo de estados considerados em situação de emergência pelo Ministério da Saúde — Amapá, Amazonas, Ceará, Distrito Federal, São Paulo e Rio de Janeiro. As sete unidades da federação têm incidência de casos 50% acima da média nacional. Veja os dados de cada estado.

Em paralelo: São Paulo, estado que tem 695 mortes e 9.371 casos confirmados, registrou novo recorde diário de mortes ligadas à pandemia, com 87 óbitos. Cinco hospitais do estado têm mais de 70% de leitos de UTI ocupados por pacientes infectados pelo coronavírus.

Governadores do Rio e do Pará testam positivo para o coronavírus

Os governadores Wilson Witzel, do Rio, e Hélder Barbalho, do Pará, foram infectados pelo novo coronavírus. Witzel anunciou o diagnóstico positivo em vídeo , em que afirmou que não se sente bem, teve febre e perda de olfato, e disse que continuará trabalhando. Também reforçou pedido pela adesão ao isolamento social. Já no Pará, Barbalho testou positivo no terceiro exame que realizou e disse não ter qualquer sintoma da Covid-19.

No Rio, os prefeitos Waguinho, de Belford Roxo, e Washington Reis, de Duque de Caxias, também estão infectados.

Em paralelo: o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, tornou obrigatório o uso de máscaras na cidade a partir de sexta-feira. A medida já havia sido implementada em outras cidades da Região Metropolitana de BH. Enquanto isso, no Tocantins, o governador Mauro Carlesse recomendou a flexibilização das políticas de isolamento social.

EUA ajudará Brasil depois que superar crise, diz Pompeo

Principal aliado internacional do governo Jair Bolsonaro, os Estados Unidos avisaram que vão ajudar o Brasil nos esforços contra o coronavírus, mas só quando a crise em solo americano tiver arrefecido . A informação é do secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeu. A jornalistas, ele disse desconhecer ação do governo americano para impedir o traslado de equipamentos ao Brasil. Este mês, o ministro Luiz Henrique Mandetta (Saúde) e o governo da Bahia revelaram dois casos de negócios atravessados pelos americanos.

Em detalhes: os americanos têm o pior quadro da pandemia, com 598 mil contágios e 25 mil mortes. Em meio à crise, o país enfrenta disputa política entre o presidente Donald Trump e governadores sobre medidas de restrição. Hoje, chefes de Executivo estadual reagiram à declaração de Trump sobre retomada da economia:“Não temos um rei, temos um presidente”, afirmou Andrew Cuomo, de Nova York, ao dizer que não vai seguir as ordens da Casa Branca.

Fonte: O Globo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário