quinta-feira, 23 de janeiro de 2020

Brunópolis decreta situação de emergência devido a estiagem

Considerando relatório da Defesa Civil o município de Brunópolis decretou situação de emergência em razão da estiagem verificada nos últimos 90 dias, consequentemente, causando perdas nas lavouras de verão.

O documento assinado pelo prefeito Ademil Antonio da Rosa (PSD) na última sexta-feira (17) destaca que produção agropecuária é a principal atividade econômica do município, representando mais de 50% do Produto Interno Bruto (PIB) de Brunópolis.

Os dados são provenientes da coleta de informações das duas estações meteorológicas presentes no município, pesquisa com técnicos das cooperativas e visitas a campo. Sendo que, as precipitações ocorridas em Brunópolis a partir de 1º de novembro de 2019, tiveram reduções de 50 a 100% do volume em comparação com a normal climatológica (1981-2010).

Até dia 16 de janeiro a  cultura do milho é a mais afetada, com perdas de até 40% de produtividade nas lavouras em R1, R2, R3 que são os estádio com maior dependência hídrica, na médias das lavouras as perdas já chegam a 24%.

Nas lavouras de moranga as perdas também chegam a 50% de produtividade, visto que a cultura é muito sensível à deficiência hídrica e em alguns casos tem sua polinização prejudicada com o déficit hídrico.

A cultura da soja já apresenta perdas de até 30% nas cultivares de ciclo precoce e nos estádio de desenvolvimento R4, R5, R6, e redução média de produtividade no município de 13%, podendo ser muito agravada no caso de persistência da estiagem.

A cultura do feijão registra poucas perdas, devido a maioria das lavouras estar no estágio vegetativo. A produção de bovinos para corte e leite também está sendo afetada pela disponibilidade de água para consumo, o que levou muitos produtores a construção e adequação de bebedouros.

As perdas econômicas no setor agropecuário do município já chegam a R$ 10 milhões, podendo passar dos R$ 12,8 milhões nos cenários mais pessimistas.

O prefeito justifica que o decreto da situação de emergência objetiva que os agricultores mais atingidos consigam a renegociação de dívidas do PRONAF e facilitar o acionamento de seguros rurais das lavouras, em especial o PROAGRO, além de solicitação e redução/ isenção/abatimento do Imposto Territorial Rural - ITR.

O decreto tem vigência de 180 dias, podendo ser prorrogado caso persista a situação de anormalidade.

Fonte: Lucas Drum/Rádio Cultura

Nenhum comentário:

Postar um comentário