quarta-feira, 4 de setembro de 2019

SETEMBRO AMARELO; Saber, Agir e Prevenir!


As acadêmicas do curso de Psicologia da UNOESC Campus Joaçaba, Alessandra, Adriana e Vanessa, por meio de uma Intervenção direcionada a Comunidade, considerando a relevância da temática e a vivência do SETEMBRO AMARELO, veem a público em formato de diálogo, publicações e entrevistas discutir e informar sobre o assunto suicídio em parceria com a Rádio Erval FM.

O diálogo no rádio objetiva expandir informação consciente e qualificada para comunidade tanto urbana quanto rural, de todas as faixas etárias. Abordando questões sobre o tema com o intuito de prevenir novos casos, além de frisar os espaços e serviços públicos que as pessoas podem procurar ajuda e orientação, sendo estes; CAPS; Unidades Básicas de Saúde; Saúde da família; Postos e Centros de Saúde; UPA 24H, SAMU 192, Pronto Socorro; Hospitais e o telefone do CVV (Centro de Valorização a Vida), que realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo por telefone, e-mail e chat 24 horas todos os dias. Considerando-se ainda, a existência de Políticas Públicas atuantes nos
municípios, podendo serem acessadas pela população, tendo papel essencial na prevenção e divulgação de informação acerca dessa temática.

O tema SUICÍDIO ainda é visto como um tabu, assunto pouco discutido em escolas ou até mesmo em casa, junto ao grupo familiar. Sabe-se que a região Sul é a região onde prevalece a maior incidência de casos, e isso se dá há inúmeros fatores. Alguns pesquisas trazem informação de que a cada 40 segundos uma pessoa morre por meio do suicídio no mundo. Então, enquanto comunidade, família, amigos o que pode ser feito para evitar ou prevenir esses casos.

Inicialmente dá-se como primordial a escuta atenta às queixas trazidas pelos sujeitos em risco, escuta sem julgamentos ou pré-conceitos, afim de identificar as possibilidades do ato suicída ou do planejamento deste. Incentivar a busca por apoio e tratamento profissional configura-se como uma segundo etapa essencial, auxiliando esse sujeito a ressignificar suas dificuldades, bem como o
enfrentamento das queixas que veem lhe trazendo sofrimento.

Destacamos alguns sinais de alerta mais comuns: Cansaço emocional, isolamento social, sono excessivo ou deficitário, distúrbios ou transtornos mentais poderão estar associados, depressão, vivências de abuso e violências nas mais diversas formas, problemas ou conflitos sociais, baixa estima, Bullying, sentimentos de tristeza e desesperança constantes além da perda de energia para
situações que antes lhe traziam satisfação. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário