quinta-feira, 22 de novembro de 2018

Assassino em série é novamente condenado em Caçador

Foto:Polícia Civil/Divulgação
Em júri popular, realizado nesta quarta-feira (21) no Fórum da Comarca de Caçador, Fábio da Silva, 24 anos, foi condenado a 10 anos de reclusão pela morte de Clarisse Justine de Andrade. A pena foi reduzida pela metade porque os jurados consideraram o princípio da semi-imputabilidade, ou seja, a insanidade mental do réu, comprovada através de laudo médico. O júri começou às 9h e encerrou às 18h, quando o juiz Gilberto Kilian dos Anjos leu a sentença.

Fábio ficou conhecido como Picadinho, depois que matou e esquartejou duas pessoas em 2016. Ele está preso desde a época dos crimes.

Esse foi o segundo julgamento de Picadinho. No início do ano ele foi condenado a 8 anos de reclusão pelo homicídio de Lucas Pereira. Na ocasião também foi levada em consideração a insanidade mental do réu com a pena sendo reduzida.

O promotor João Paulo de Andrade, que atuou na acusação, avaliou a pena final como aquém da expectativa. Segundo ele, o Ministério Público vai recorrer. “Vamos recorrer ao Tribunal de Justiça de SC porque entendemos que a pena deveria ser maior, minimamente proporcional aos graves crimes cometidos por Fábio”, disse.

A defensora pública Elaine Caroline Masnik ficou satisfeita com o resultado. De acordo com ela, mesmo os jurados considerando as qualificadoras, a estratégia principal era o princípio da semi-imputabilidade.

O réu foi condenado por homicídio quadruplamente qualificado: motivo torpe, motivo fútil, asfixia e pelo recurso que dificultou a defesa da vítima e pela dissimulação. E também pelo crime de destruição de cadáver.

Em abril deste ano, Fábio foi condenado pela morte de Lucas Pereira, que também foi esquartejado e enterrado. A sentença ficou definida em 13 anos e 2 meses de reclusão, mas depois a pena caiu para 8 anos e 7 meses após um recurso de apelação no Tribunal.

Saiba como ocorreu o crime

Segundo o que foi apurado pela Polícia Civil, a vítima Clarisse foi morta por asfixia e depois esquartejada e enterrada na linha Caixa d’Água, proximidades da Epagri, interior de Caçador. O crime ocorreu no dia 20 de abril de 2016.

A polícia apurou que durante a noite, Fábio teve relações sexuais com a vítima no carro dele, um Fiat Tempra. Na volta, a vítima foi agredida e ficou inconsciente, e depois foi morta por asfixia. Fábio teria deixado o corpo em uma vegetação e foi embora.

Na noite seguinte, ele voltou ao local após sair do trabalho e utilizou uma pá-cortadeira para esquartejar o corpo da vítima, fazendo múltiplos cortes. Em seguida, cavou um buraco de cerca de 90 centímetros e enterrou o corpo.

Após a confissão do denunciado e com o auxílio de cães farejadores, a Polícia Civil, IGP e Bombeiros encontraram o cadáver em fase de decomposição no dia 5 de maio de 2016.

Motivação

Fábio é acusado de cometer o crime por motivo fútil. No entendimento do Ministério Público, o denunciado escolheu a vítima Clarisse por acreditar que ela teve um relacionamento amoroso com a companheira dele, quando estiveram separados. Do mesmo modo, a promotoria entende que o denunciado matou a vítima em razão de desentendimento ocorrido entra ela e sua companheira na danceteria Maria Fumaça.

Fonte: Caçador Online

Nenhum comentário:

Postar um comentário