sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Aluno que agrediu professora deve cumprir medida socioeducativa de semiliberdade

O aluno de 15 anos que agrediu a professora Marcia Friggi, de 51 anos, em Indaial, no Vale do Itajaí, deve cumprir medida socioeducativa de semiliberdade.

Com a decisão da juíza do Fórum de Indaial, o garoto deve permanecer no Centro de Atendimento Socioeducativo Provisório (Casep) de Blumenau, onde está desde o dia 29 de agosto.

Durante a semana ele poderá estudar em uma escola da cidade e, se tiver bom comportamento, poderá visitar a família nos fins de semana. A decisão prevê ainda que ele receba atendimento psiquiátrico e psicológico.

A defesa do jovem disse que pretende pedir revisão da sentença, como mostrou o Bom dia Santa Catarina desta sexta-feira (22).

O caso aconteceu no dia 21 de agosto em uma escola da cidade. Segundo a professora, o aluno bateu no rosto dela na sala da direção da escola depois que chamou a atenção do estudante.

Pedido de desculpas

Uma audiência no Fórum de Indaial no dia 13 deste mês ouviu a professora, a irmã do garoto, uma aluna da turma, a secretária e diretora da escola. Na ocasião, entre os depoimentos, a mãe do adolescente pediu desculpas à professora agredida pelo filho dela. Por sua vez, a professora aceitou os pedidos e pediu a mãe que não desista de buscar a ressocialização do adolescente.

No final de agosto, advogado Diego Valgas, da defesa do adolescente afirmou que o cliente lhe contou que a professora o xingou várias vezes nos momentos anteriores à agressão.

"Ele tem demonstrado bastante arrependimento. Perdeu a cabeça, nada justifica a atitude que ele tomou", afirmou o advogado.

Agressões desde pequeno

O advogado afirmou que o adolescente sofreu agressões desde que era um bebê. "Todo o período em que ele viveu com o pai era obrigado a defender a mãe. O pai chegava embriagado, batia muito na mãe, ele tinha que defender. Em um determinado dia, ele foi interferir e o pai ficou com muita raiva. Bateu muito dele e ele ficou por dois dias em coma. Nessa época, eles moravam no Mato Grosso. A mãe dele saiu fugida, veio morar em Indaial, onde buscou abrigo em casas de amigos e familiares. Logo na sequência, trouxe o filho. Houve novo casamento e agora o padrasto é referência paterna para ele", relatou.

Fonte: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário