sexta-feira, 21 de julho de 2017

Engenheiro Agrônomo da Epagri de Erval Velho comenta sobre Plano Safra e Pronaf

Por: Sabrina Teodoro/Erval FM



Na manhã desta sexta-feira (21) recebemos nos estúdios da Erval FM o Engenheiro Agrônomo da Epagri de Erval Velho Darci Galio que concedeu uma entrevista exclusiva sobre o Plano Safra e o Pronaf.

O Engenheiro comentou assuntos como quais os critérios para que um produtor rural possa se enquadrar no Pronaf, suas modalidades, quais as formas de pagamento, os juros dos financiamentos e ainda o prazo para pagamento da dívida.

 Todos os anos o governo federal lança o Plano Safra que é um conjunto de medidas que regulamenta as ações e os recursos destinados a agricultura principalmente a agricultura familiar. Este Plano Safra vigora o ano agrícola futuro. E o Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar) se estende como a propriedade rural onde a renda principal é gerada pela família, isto é, com a mão de obra da família.

Alguns critérios para que um produtor rual se enquadre no Pronaf seriam a mão de obra familiar, que a renda fora da propriedade quando existir, não ultrapasse a renda da propriedade, que a área total própria ou explorada seja de no mínimo 80 hectares e ainda que a renda bruta anual não seja superior a R$360 mil. Existem ainda diversas modalidades de Pronaf, agroindustrial, mulher, jovem entre outras. A modalidade mais utilizada em Erval Velho seria o Pronaf Mais Alimentos, que seria uma linha de crédito destinada ao incremento na produção de alimentos. O Pronaf Mais Alimentos se subdivide em Pronaf "Custeio" e "Investimento".

Os Juros do Pronaf são diferenciados em 2 percentuais dependendo do objetivo da atividade, 2,5% a.a e 5,5% a.a. Visando incrementar a produção de alimento algumas atividades consideradas pelo governo como produtoras de alimentos básicos possuem um juro menor. Custeio pecuário para bovinos de leite, custeio de lavouras com culturas de feijão, arroz, trigo entre outros possuem o juro de apenas 2,5% a.a, porém o custeio pecuário para bovinos de corte o juro considerado é de 5,5% a.a. O custeio da lavoura de milho possui duas taxas de juros: caso o financiamento seja de até R$20.000,00 o juro será de 2,5% a.a mas se o financiamento for superior a R$20.000,00 o juro será de 5,5% a.a. No caso de investimento também temos duas taxas de juros, 2,5% a.a e 5,5% a.a dependendo do objetivo do financiamento.

Já em relação ao prazo de pagamento os custeios possuem um ano de prazo e são rotativos, podendo ser realizada renovação. E os investimentos possuem o prazo de até dez anos com até três de carência, caso seja necessária. O Engenheiro comenta ainda que para aqueles que possuem uma área superior a 80 mil hectares ou obtém uma renda superior a R$360 mil podem se encaixar em outro programa que seria o Pronamp, que disponibiliza um volume maior de recursos financeiros para os produtores rurais, com um juro de 7,5% a.a.

Para finalizar Darci ressalta que estas são apenas algumas informações em relação a juros que são diferenciados de acordo com os objetivos do crédito, mas que se encontra disponível no Escritório da Epagri para qualquer dúvida sempre que for necessário, também no telefone 3542-1182.


Nenhum comentário:

Postar um comentário