terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Merisio transmite cargo de presidente da Alesc nesta quarta

Foto:Luis Debiase / Agência AL
O deputado Gelson Merisio (PSD) encerra agora em fevereiro o seu terceiro mandato como presidente da Alesc, comandando o Legislativo nos anos de 2010, 2011, 2012, 2015 e 2016. Esteve presente em quase todos os principais temas e suas decisões — às vezes protagonista, muitas nos bastidores. Como presidente, conduziu importantes votações dentro do Parlamento, como a reforma da previdência dos servidores estaduais e a renegociação da dívida do Estado.

Por uma negociação entre os 40 deputados, o encaminhamento deve ser, na próxima quarta-feira, dia 1º de fevereiro, por eleger o deputado Silvio Dreveck (PP) o próximo presidente da Alesc. O deputado Aldo Schneider (PMDB) deve ser eleito o vice, e assumir a presidência, por acordo, durante o ano de 2018.

— Agora vou poder me dedicar mais à atuação parlamentar. Apresentei projetos na área de Segurança Pública e na questão da eficiência do gasto de recursos públicos que serão importantes discussões de 2017 na Assembleia — disse o deputado Merisio.

Durante as três presidências, Merisio desenvolveu iniciativas inéditas com um perfil gestor dentro da Casa política. Foi o primeiro presidente a fazer devoluções de recursos para o Executivo, R$ 40 milhões em 2011. Essa é uma das práticas que se manteve desde então, com R$ 106 milhões devolvidos em 2016 e R$ 30 milhões em 2017. Desde 2011, foram repassados ao Governo do Estado R$ 306,5 milhões. O modelo ainda avançou e se tornou comum em outra instituição, o Tribunal de Contas do Estado (TCE).

Merisio tinha uma obsessão: mostrar que esses recursos economizados — como o exemplo dos gastos em diárias, redução de 45% nos últimos dois anos — podem se tornar investimentos em áreas que gerem benefícios diretos à população. Essa foi a ideia por trás da criação, em 2016, do Fundo de Apoio aos Hospitais Filantrópicos, que recebeu R$ 50 milhões da Alesc e permitiu ao governo do Estado quitar dívidas com os hospitais e retomar os mutirões de cirurgias, até então paralisados por falta de recursos.

Outro legado deixado por Merisio na Alesc é a redução da máquina. O atual presidente cortou em 50% o número de funcionários efetivos, em um processo que mudou o quadro de 818 para 407 servidores. Tudo isso sem forçar demissões: 61 cargos que estavam desocupados foram extintos na hora e as outras reduções estão ocorrendo à medida que os servidores de cargos de ensino fundamental e médio se aposentam por tempo de serviço na Assembleia.

Tanto reduziu os gastos obrigatórios da Casa que, perto do fim de seu mandato, Merisio pôde reduzir o repasse do Estado para o Legislativo, redistribuindo esse valor a que o Parlamento teria direito para que o Tribunal de Justiça e o Ministério Público, a partir deste ano, possam ampliar sua atuação em mais regiões de Santa Catarina. A aprovação do projeto PL 325/16 repassou 0,17 pontos percentuais dos 4,51% do orçamento anual que a Alesc recebe. Com base no orçamento de 2017, as duas instituições devem receber cerca de R$ 18 milhões a mais por ano.

Futuro

Natural de Xaxim, no Oeste catarinense, o deputado Gelson Merisio iniciou a carreira política como vereador no município de Xanxerê. Na última eleição, foi o deputado estadual mais votado da história de Santa Catarina, com o voto de 119.280 catarinenses.

Em 2017, o deputado Gelson Merisio assume a presidência da Escola do Legislativo, além de continuar na presidência estadual do Partido Social Democrático (PSD). Merisio também aparece cotado como pré-candidato do partido para disputar as eleições em 2018 para o cargo de governador do Estado.

— Quero muito ser candidato. E vou trabalhar muito para isso. Mas não é só um desejo pessoal e tampouco partidário. Quero representar o anseio que a população tem por um Estado mais eficiente, que produza muito em serviços públicos gastando bem menos em burocracia, um Estado enxuto — explica Merisio.

Fonte: Assessoria de imprensa do deputado Gelson Merisio

Nenhum comentário:

Postar um comentário