sexta-feira, 27 de julho de 2012

Caminhoneiros liberam a BR-282 em Catanduvas


Medida foi tomada devido as condições climáticas.




A PRF negociou a liberação da pista com os manifestantes.

Os caminhoneiros que interrompiam a BR-282 em Catanduvas resolveram liberar o trecho e voltar a interromper somente na manhã desta sexta-feira, 27. A medida foi tomada por que a garoa e a forte neblina em toda a região poderiam ser elementos para provocar acidentes no trecho. A Polícia Rodoviária Federal já manifestava a intenção de que isso acontecesse, temendo por algo mais grave.

A BR-282 foi interrompida nos dois sentidos por caminhoneiros que reivindicam melhores condições de trabalho. A interrupção da pista iniciou por volta das 17h desta quinta-feira, 26 e terminou ás 19h30. Caminhões que trafegavam pela rodovia eram obrigados a parar, o que formou filas em ambos os sentidos da rodovia. A Polícia Militar e a Polícia Rodoviária Federal (PRF) estiveram presentes no local e a PRF.

A previsão é de que o novo bloqueio aconteça á partir da 7h da manhã. A exemplo do que aconteceu nesta quinta, o bloqueio só será valido para veículos maiores, os automóveis, ambulâncias, ônibus de passageiros e caminhões com cargas vivas não serão parados. 

Entenda as reivindicações

Entre as reclamações dos caminhoneiros está a instituição do controle da jornada de trabalho, determinando que todo profissional cumpra intervalo de 11 horas de descanso ininterrupto a cada 24 horas - medida que busca inibir jornadas longas ao volante e reduzir o número de acidentes nas estradas.

A categoria reclama também que alterações feitas pela ANTT que mudaram as regras de frete provocaram "uma absurda concorrência desleal e ilegal e que ocasionou os fretes extremamente defasados", de acordo com o Movimento União Brasil Caminhoneiro (MUBC). Os manifestantes querem que as normas sejam revogadas e que outras sejam elaboradas com a sua participação. Outra reivindicação do setor é a mudança nas regras do Cartão-Frete - forma de pagamento por meio da qual os trabalhadores podem consumir produtos apenas em pontos de comercialização onde ela é aceita.

Fonte: ederluiz.com


Nenhum comentário:

Postar um comentário