quinta-feira, 31 de março de 2011

Memorável Trem de Ferro

Documentário será exibido hoje na Unoesc

Enquanto políticos desinformados votam contra a retomada da ferrovia no Vale do Contestado, o período memorável da São Paulo – Rio Grande pode ser relembrado no cinema.

Essa é a proposta do documentário Memorável Trem de Ferro, que inaugura circuito de exibições em Joaçaba na quinta-feira, dia 31. A sessão inaugural preparada para a Unoesc, com início à 19:30 horas, no Auditório Afonso Dresch, anuncia a série de projeções que acontecem de 05 à 08 de Abril no Teatro Alfredo Sigwalt. No Cine Clube Miguel Russowsky, que funciona no teatro, são pelo menos 25 sessões, uma média de 6 exibições diárias.

O desafio é oportunizar o acesso de alunos do ensino médio e fundamental ao cinema e a memória ferroviária. Uma idéia que ganha forças no evento da Unoesc, onde a intenção é atender a demanda composta prioritariamente por universitários.

Clima de cinema também para os gaúchos, já que na quarta-feira, dia 30, os aplausos memoráveis são para a cidade de São João da Urtiga. O evento que é uma parceria entre a escola Frei José, o CTG Coxilha da Serra e as Rádios Liberal FM e Educadora AM, acontece no próprio CTG. São 3 sessões, sendo que a da manhã está programada para as 10:45. Na parte da tarde as projeções acontecem às 13:30. À noite o evento é aberto a comunidade e tem previsão de início às19:30. A série é coordenada pelo radialista Jocelei Flôres, diretor da Rádio Educadora de São João da Urtiga.

Memorável Trem de Ferro narra em depoimentos e imagens os cem anos de uma história ferroviária que se passa em quatro estados do país, contados em menos de uma hora: Esse é desafio da produção cinematográfica dos documentaristas Vilmar Miguel Sartori e Ernoy Mattiello. Das histórias contadas pelo avô durante a infância, aos estudos acadêmicos da São Paulo - Rio Grande, a Ferrovia do Contestado: Mistérios que são desvendados nesse filme do gênero documentário. Uma verdadeira viagem pelo mundo à vapor, relembrando uma época que o país seguia o caminho dos trilhos de ferro, em que o trem era o principal meio de transporte.

Cenário de saudades e lembranças misturadas a modernidade; a história de uma das principais ferrovias do mundo saiu dos livros e do imaginário popular para ganhar a grande tela. O documentário lançado em Fevereiro de 2011,começou a ser rodado em Setembro de 2010 em Itararé, SP. A produção também passou pelo Paraná, Santa Catarina e finalizou suas locações no estado gaúcho. A obra resgata a trajetória da Ferrovia São Paulo – Rio Grande, Inaugurada em Outubro de 1910 na divisa entre Marcelino Ramos (RS) e Piratuba (SC).

São 18 entrevistas, o que inclui depoimentos de historiadores com titulação de doutores no assunto, além de ferroviários aposentados e até mesmo colonizadores da região do Contestado. Cada um ao seu jeito contribuiu para a construção dessa teia fragmentada, que agora é um filme. O filme produzido em película digital também tem sessões previstas pra o mês de Abril em Marcelino Ramos, Salvador do Sul, Montenegro e Santa Maria no Rio Grande do Sul. No Paraná, as cidades de Sengés e Ponta Grossa estão na lista de exibições. E assim, pouco à pouco, cidade após cidade, o velha máquina fumegante vai percorrendo o caminho da história, trazendo lembranças em cada nova parada, deixando por onde passa um grande rastro de saudade inerte na página do desenvolvimento nacional.
Fonte: Cleide Fátima – Especial São Paulo – SP

Nenhum comentário:

Postar um comentário